De acordo com a fotógrafa Kerstin Langenberger, que esteve em Svalbard (um arquipélago no Oceano Ártico) e tirou a foto que você vê acima, o aquecimento global é sim uma realidade e nós precisamos nos movimentar pra mudá-la. Ela postou essa foto no seu perfil do Facebook com a mensagem que segue traduzida abaixo.

“Para os turistas e fotógrafos da vida selvagem, a principal razão para ir a Svalbard é para ver ursos polares. E sim, em geral nós os encontramos: ursos bonitos, ursos fotogênicos, brincalhões ou em uma caçada. À primeira vista, tudo é como sempre foi em um dos lugares com população de ursos polares mais acessível no mundo, altamente protegido e indo bem, segundo dizem alguns cientistas.

Mas eles estão realmente indo bem, os ursos aqui em cima? Eu sou uma pessoa de mente crítica, e eu observo. Eu vejo os verões sendo agradáveis (e quentes) como nunca antes. Eu vejo os glaciares se quebrando, recuando dezenas a centenas de metros todo ano. Eu vejo os pedaços de gelo desaparecendo em tempo recorde. Sim, eu tenho visto ursos em boa forma – mas eu também tenho visto ursos polares mortos e famintos. Ursos andando nas margens, procurando comida, ursos tentando caçar renas, comendo ovos de pássaros, musgos e algas. E eu percebi que os ursos gordos são quase que exclusivamente machos que ficam nos blocos de gelo o ano todo. As fêmeas, por outro lado, que hibernam na terra para dar a luz aos seus bebês, são geralmente magras. Com os blocos de gelo recuando mais e mais a norte a cada ano, elas tendem a ficar presas nas terras onde não há muita comida. No primeiro ano, elas perdem a primeira ninhada. No segundo ano, elas perdem a segunda (e última) ninhada. Somente uma vez eu vi uma mãe com um filhote quase independente. Só algumas vezes eu vi mães lindamente gordas com seus bebês lindamente gordos. Várias vezes eu vi ursos terrivelmente magros, e eram exclusivamente fêmeas – como essa aqui na foto. Um esqueleto, machucada na perna dianteira, possivelmente por uma tentativa desesperada de caçar um leão marinho enquanto estava presa na terra.

Especialistas defendem que a população de Svalbard é estável, até mesmo em crescimento. Bom, aqui vai a minha questão: como uma população pode ser estável se consiste em menos e menos fêmeas e filhotes? Como uma população pode estar bem se a maioria dos ursos mostram um índice de massa de 2-3 em 5? Apenas uma vez eu vi um urso atingindo um grande “5”, mas várias vezes eu vi ursos mortos e ursos como esse da foto: um mero “1” na escola, destinado a morrer. Eu não tenho dados científicos para provar minhas observações, mas eu tenho olhos para ver – e cérebro para tirar conclusões. A mudança climática está acontecendo aqui no Ártico. E é a nossa decisão de tentar mudar isso. Então: vamos fazer alguma coisa sobre a maior ameaça da nossa época. Talvez não consigamos salvar essa ursa aqui. Mas cada pequena ação que fazemos para mudar nossos caminhos é um passo na direção certa. Nós só temos que começar e continuar avançando!”

Texto tirado do perfil da profissional: veja aqui.

Anúncios